• Regina Beatriz

Escrituras públicas em direito de família e direito das sucessões durante a pandemia

Por George Michel Elder da Silva

Se é verdade que estamos testemunhando um dos eventos mais extraordinários da história contemporânea da humanidade, também é verdade que, apesar de todas as adaptações comportamentais que o momento exige, a vida das pessoas segue seu inexorável curso.


Desde o advento da Lei nº 11.441, de 4 de janeiro de 2007, que introduziu no Direito Brasileiro há possibilidade de realização de procedimentos de separação, de divórcio e de inventário e partilha pela via extrajudicial, por meio da celebração de escritura pública, desde que haja acordo e o preenchimento de alguns requisitos determinados em lei. Somado a isso, temos o já historicamente conhecido papel dos cartórios para a prática de outros atos jurídicos solenes no contexto dos planejamentos patrimoniais e sucessórios, como por exemplo: pactos antenupciais, pactos e dissoluções de união estável, doações de bens imóveis, instituições de bem de família e de usufruto sobre bens imóveis, e, finalmente, os testamentos.


Nesse sentido, em tempos de pandemia da COVID-19, com a decretação do fechamento do comércio em geral e da suspensão da prestação de alguns serviços públicos por parte dos governos estadual e municipal de São Paulo, surge a dúvida: como ficou o funcionamento dos cartórios no que toca à lavratura e ao registro de escrituras públicas?


O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, por meio da Corregedoria Geral da Justiça, órgão judiciário responsável pela regulamentação e fiscalização das atividades cartoriais, recentemente editou alguns atos normativos, com destaque para o Provimento CG nº 08/2020, nos quais reconheceu a natureza essencial dos serviços cartoriais e, ainda, autorizou a suspensão do regime ordinário de atendimento dos cartórios em geral desde que aqueles que optarem por fazê-lo passem a atender ao público em regime de plantão, atendimento esse que poderá ser presencial, virtual ou em ambas as modalidades. A princípio, as regras que disciplinam o funcionamento em regime de plantão permanecerão em vigor até 23 de abril de 2020, podendo ser prorrogadas caso necessário.


Portanto, observados os termos e condições previstos nos referidos atos normativos, de modo geral, os cartórios do Estado de São Paulo continuam funcionando para a lavratura e registro de escrituras públicas dos mais diversos tipos (doações de bens imóveis, instituição de bem de família e de usufruto sobre imóveis, pactos antenupciais e de união estável, separações e divórcios consensuais, dissoluções de união estável, testamentos, inventários e partilhas, entre outros) assegurando, assim, o exercício de direitos fundamentais e a circulação do direito de propriedade entre as pessoas conforme determinação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Posts recentes

Ver tudo

Condomínio In Offices Paraíso

Rua Otávio Nébias, 130 - 5º andar

Paraíso - SP - CEP: 04002-011 

Tel.: (11) 3252-2130

© 2020 por Regina Beatriz Tavares da Silva Sociedade de Advogados.