top of page
rodape_edited.jpg
fundo_home.jpg
logo_positivo3.png
  • Foto do escritorrbtssa

“DIVÓRCIO SURPRESA” NA REFORMA DO CÓDIGO CIVIL

Dra. Regina Beatriz Tavares da Silva, Presidente da ADFAS, concede entrevista no artigo sobre “divórcio surpresa”, originalmente publicado na Gazeta do Povo


O último relatório para o anteprojeto do novo Código Civil, que em breve tramitará no Senado, inclui dispositivos que poderiam redefinir a instituição do casamento na legislação, indo muito além até mesmo das polêmicas decisões recentes do Supremo Tribunal Federal (STF) nesse âmbito.


Nesta semana, em entrevista ao site UOL, o advogado Flavio Tartuce, relator do anteprojeto, deixou explícita a intenção da proposta de promover maior “fluidez” nas relações, facilitando os processos de casamento e divórcio. “As relações hoje são mais fluidas. Se facilitamos o divórcio, temos que facilitar o casamento, com redução de tempo e de custos. Um dos objetivos da reforma do Código Civil é destravar a vida das pessoas”, afirmou.


Um dos dispositivos que mais preocupam alguns juristas é o artigo 1.582-A, que introduz a possibilidade de divórcio unilateral pelo cartório sem controle prévio do Poder Judiciário. Essa inovação permitiria a uma das partes dissolver o casamento sem o consentimento e até mesmo sem a presença da outra – o que tornaria a dissolução do casamento mais fácil até mesmo do que, por exemplo, a ruptura de certos contratos de locação de imóvel comercial.


Regina Beatriz Tavares da Silva, presidente da Associação de Direito de Família e das Sucessões (ADFAS) e doutora em Direito Civil pela USP, considera compreensível a busca por facilitar a burocracia em processos de casamento e divórcio, mas ressalva que “é preciso considerar as consequências de facilitações exageradas”. Ela vê como especialmente perigosa a possibilidade do requerimento unilateral no cartório, presente no artigo 1.582-A da proposta. Para ela, o dispositivo poderia ser chamado de “divórcio surpresa”.


“Esta proposta, se não for modificada, causará inúmeros prejuízos ao cônjuge notificado, o qual, entre outros exemplos, poderá ser excluído imediatamente de seguro ou plano de saúde existente junto à empregadora do requerente do divórcio, bastando a apresentação da certidão de casamento com averbação do divórcio, bem como ser subitamente expulso do domicílio conjugal, se o imóvel pertencer exclusivamente ao notificante”, afirma. Em alguns casos, ressalta ela, o cônjuge poderia não ter tempo nem sequer para procurar assistência jurídica e tomar as providências judiciais cabíveis para manter o plano de saúde e permanecer no imóvel.


Para a jurista, é uma falácia o pretexto de que o dispositivo seria uma forma de favorecer mulheres cujos maridos não desejam o divórcio. “Quando se fala em proteção da mulher, que não consegue se divorciar como justificativa dessa proposta, isto, com todo respeito, é uma falácia, porque a mulher que sofre violência doméstica precisa das medidas protetivas da Lei Maria da Penha e não de divórcio por notificação em cartório”, diz. Regina avalia que o divórcio por pedido unilateral no sistema em vigor no Código Civil já é “suficientemente facilitado”.


Confusão de conceitos no anteprojeto do Código Civil poderia facilitar reconhecimento legal do poliamor


Quanto à possibilidade de uniões poliamorosas, levantada por esta reportagem da Gazeta do Povo, Regina observa que o anteprojeto faz confusão com os conceitos de “sociedade conjugal”, “sociedade convivencial” e “união estável”, além de não definir bem o que é “família não conjugal”. Essa falta de clareza poderia resultar em interpretações equivocadas.


Por um lado, em dado momento, as leis propostas definem casamento e união estável como formações familiares compostas por apenas duas pessoas, ressaltando a importância da monogamia como a base dessas relações; na maior parte do texto, sociedade conjugal é sinônimo de casamento, e sociedade convivencial é sinônimo de união estável.


Porém, destaca Regina, o artigo 1.702 do anteprojeto cita a sociedade conjugal, a sociedade convivencial e a união estável como três entidades distintas. Por isso, afirma ela, a sociedade convivencial poderia ser equivocadamente interpretada “como abrangente de outros arranjos que não são familiares”.


Para a especialista, também é preciso tornar mais clara a diferença entre dois tipos de família mencionados nas leis: as famílias formadas por casais (conjugais) e as formadas por pessoas que não são casais, como irmãos ou amigos que decidem viver juntos (não conjugais). Essa distinção é importante para evitar, por exemplo, que as famílias não conjugais possam ser vistas como relações poliamorosas.


“É necessário o aperfeiçoamento de todos os dispositivos mencionados, sob pena de ser aberta a porta do direito de família para relações que não são reconhecidas como entidades familiares pela Constituição Federal e pelas teses de repercussão geral do Supremo Tribunal Federal”, conclui.

82 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page