top of page
rodape_edited.jpg
fundo_home.jpg
logo_positivo3.png
  • Foto do escritorrbtssa

Sócia fundadora de RBTSSA, Dra. Regina Beatriz Tavares da Silva, avalia reforma no Código Civil nas relações de família

Regina Beatriz Tavares da Silva acompanhou nos últimos oito meses o trabalho da comissão da reforma do Código Civil, que contou com propostas legislativas da Associação


Publicado originalmente no Correio Braziliense.


Presidente da Associação de Direito de Família e das Sucessões (ADFAS), a professora Regina Beatriz Tavares da Silva acompanhou nos últimos oito meses o trabalho da comissão da reforma do Código Civil, que contou com propostas legislativas da Associação. Um grupo formado por 38 juristas promoveu estudo sobre a alteração de mais de mil artigos no atual código, que tem 22 anos. Em duas décadas, a sociedade evoluiu e novos conceitos e conflitos familiares surgiram. O anteprojeto encaminhado ao Senado produziu inovações e ampliação do conceito de família.


A ADFAS apresentou sugestões que promoveram alguns impactos. Apesar das mudanças, Regina Beatriz avalia que ainda há vários dispositivos a serem debatidos e aperfeiçoados no Congresso. Por exemplo, a possibilidade — como está previsto — de divórcio unilateral. Ela acredita que esse tipo de divórcio por notificação no Cartório de Registro Civil pode deixar um dos cônjuges desassistido, sem plano de saúde e sem ter onde morar. "Obviamente que o cônjuge mais vulnerável, que no Brasil ainda é a mulher na maior parte dos lares, sofrerá graves prejuízos", analisa.


Qual a sua a avaliação sobre o texto final do anteprojeto de Código Civil que chega ao Senado?


O relatório final contém algumas propostas positivas e outras negativas ao bem-estar da família e de seus membros. Aliás, é de observar que uma reforma do Código Civil, que pretende atualizar um diploma legal que tem 2.046 artigos, ser elaborada em apenas cerca de sete meses não pode ter a necessária reflexão. Assim, espera-se que, no Congresso sejam realizados os indispensáveis debates, com audiências públicas nas várias comissões legislativas, para que sejam ouvidos os vários posicionamentos e observadas emendas que certamente serão propostas no momento oportuno.


Como avalia o conceito de família da forma como foi tratado no texto?


Após a substituição da expressão família não conjugal por família parental, para deixar claro que se trata de relação entre parentes — irmãos e primos, por exemplo, que compartilham responsabilidades, unem-se por laços de fraternidade e moram na mesma casa, dando apoio moral e material uns aos outros —, banindo-se a possibilidade de interpretação da família não conjugal como abrangente das relações poliafetivas ou poligâmicas ('trisais"), houve uma melhora no relatório final. No Brasil, o único sistema no direito de família e em áreas correlatas, como a previdenciária, é a monogamia, ou seja, a relação entre duas pessoas, do mesmo gênero ou de gêneros diferentes. No relatório final também ficou claro que relações paralelas (relações adulterinas) não constituem família. As relações paralelas, ou seja, o adultério, seja praticado num casamento, seja praticado numa união estável, não formam família e, portanto, não têm efeitos de direito de família e outros correlatos. Assim, no relatório final, está a família oriunda de casamento ou de união estável e a família parental - que se origina daquela solidariedade entre irmãos ou primos, por exemplo. Na parental, também está incluída a família monoparental, que está prevista na Constituição e é formada por um dos genitores e seus filhos.


Muitas fake news foram propagadas sobre o texto. Quem tem interesse nesse tipo de desinformação?


Não foi desinformação ou fake news o que foi comentado sobre tratamento de famílias paralelas. Efetivamente, na redação do primeiro relatório geral havia a possibilidade de interpretação de que relação de adultério ou paralela poderia gerar efeitos familiares, ou seja, que poderiam existir duas uniões estáveis simultaneamente, na contramão do que decidiu o STF nos temas de repercussão geral 526 e 529. Aliás, além disso, era proposto que houvesse efeitos de partilha sobre o imóvel em que houvesse esforço comum e de posse do imóvel em que o cúmplice do adultério estivesse instalado se demonstrado o esforço comum (sem esclarecer que tipo de esforço seria esse), inclusive, na relação adulterina praticada em relação ao casamento. Sobre incesto, embora eu creia que jamais tenha sido a intenção, na família que era chamada de 'não conjugal', sem que houvesse a clareza que passou a existir no relatório final, no sentido de que essa família advém de laços exclusivamente de fraternidade, um risco longínquo também poderia existir.


E sobre família multiespécie?


Por não ser atribuída personalidade jurídica aos animais de estimação, nunca vi esse risco. Há uma proteção aos pets no relatório final, no sentido da companhia e do sustento após a dissolução do vínculo conjugal, desde que os animais de estimação continuem a pertencer a ambos os ex-cônjuges ou ex-conviventes.


Foi aprovada a ampliação do conceito de família para incluir vínculos não conjugais, que agora passam a se chamar parentais. A proposta estabelece direitos e deveres para esses grupos e busca reconhecer o parentesco da socioafetividade, quando a relação é baseada no afeto e não no vínculo sanguíneo. Qual a sua opinião? O que precisa ser aprimorado?


A família parental é aquela formada por um dos genitores e seus filhos e a relação entre parentes (irmãos e primos, por exemplo). O parentesco por socioafetividade é aquele que se constitui entre uma pessoa e uma criança ou adolescente que não é seu filho biológico. São situações diferentes. A socioafetividade depende do reconhecimento social daquela pessoa como pai e da existência de afetividade entre eles. Acho que deveriam ter melhor detalhamento os requisitos da filiação socioafetiva. Penso também que o relatório final melhorou para impedir que, pelo simples fato de ser padrasto ou madrasta, possa existir o dever de sustentar o enteado quando a relação entre o padrasto e a mãe do menor se desfaz, o que não estava claro na primeira redação do relatório geral.


A proposta prevê uma nova modalidade de divórcio ou dissolução de união estável, que poderá ser solicitada de forma unilateral. Esse é um avanço?


O relatório final propõe uma nova espécie de divórcio, que pode ser chamado de "divórcio surpresa". O dispositivo autoriza o divórcio por mera notificação no Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais (RCPN). Entre os prejuízos ao cônjuge notificado estão a possibilidade de sua exclusão imediata do seguro ou plano de saúde existente junto à empregadora do cônjuge notificante, bastando apresentar a certidão de casamento com a averbação do divórcio, assim como a expulsão do cônjuge notificado do domicílio conjugal, se o imóvel pertencer exclusivamente ao notificante, sem que haja o tempo necessário para que o notificado busque nas vias judiciais a necessária proteção. Note-se que cinco dias após a notificação, segundo o relatório final, será feita a averbação do divórcio na certidão de casamento. Uma pessoa casada recebe essa notificação, como terá tempo de constituir um advogado, promover uma ação judicial e obter uma decisão judicial para manter seu plano de saúde, antes do referido cancelamento? Obviamente que o cônjuge mais vulnerável, que no Brasil ainda é a mulher na maior parte dos lares, sofrerá graves prejuízos. Imaginemos a gravidade se ela necessitar de um tratamento de saúde de urgência.


16 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page